ESPUMOSO – Soja tem bom desenvolvimento, mas cuidados devem ser redobrados nesta fase

Atenção com pragas e doenças deve ser maior, depois de ter registrado umidade precedida de calor e temperaturas baixas

Mesmo com chuvas que chegaram a 200 milímetros em algumas regiões, as lavouras de soja da região de abrangência da Cotriel, estão se desenvolvendo de forma satisfatória.

Segundo o técnico agrícola da Sede, Edenilson Provensi, as lavouras se encontram na fase de floração e inicio de formação de grãos na qual a planta expressa o seu potencial produtivo.

Edenilson explica que após as chuvas intensas, vieram a alta temperatura do dia e vento, orvalho e cerração à noite, abrindo uma janela perigosa de doenças, principalmente a ferrugem da soja, que merece atenção especial. “Como foram registrados vários dias com umidades e temperaturas entre 25 a 30 graus, criou-se uma condição favorável para essa doença. Em safras anteriores   quando   ocorreram períodos de estiagem, houve mudança nas estratégias do controle de doenças e depois foi muito complicado reverter a situação e as perdas foram grandes por causa da ferrugem”, disse.

No que diz respeito às pragas, Provensi afirma que até o momento o que mais apareceu foi o tamanduá da soja, trips e ácaros.  “Com a soja na fase reprodutiva é importante dar uma atenção especial aos percevejos, pois estes causam danos à qualidade de grão, abortamento de legumes e desequilíbrio hormonal na planta da soja. As aplicações devem ser feitas quando as populações de percevejo estiverem baixas. Quanto às lagartas, que  estão começando a aparecer a partir de agora, o produtor não pode descuidar da  falsa-medideira, e a lagarta-preta, pois se a população destas aumentar demasiadamente, podem ocorrer danos à área fotossintética da planta”, alertou.

Algumas dicas:
- Monitoramento constante das áreas, principalmente quanto a pragas e doenças;
- Seguir o manejo de doenças previsto para as lavouras de soja, visto que muitas áreas se aproximam do final do residual dos produtos para controle da ferrugem. A mesma é uma doença bastante agressiva e qualquer descuido pode custar muitos quilos de soja;
- Caso seja necessário, é importante fazer aplicação de produtos fitossanitários nas áreas, dando preferência por aplicações nas horas de temperaturas menores, de manhã e no final da tarde.
- Muita atenção ao uso de produtos a base de óleo, inseticidas do grupo dos organofosforados, podem ocasionar fitoxicidade à soja;
- Evite aplicações entre as 10 e 18 horas. São horários que apresentam temperatura elevada e baixa umidade relativa do ar, que dificultam a duração da vida da gota e também a capacidade de absorção dos produtos.
- Lembrando: com umidade relativa do ar menor que 60% e temperatura maior que 27°C, as pulverizações devem ser evitadas;

O Departamento Técnico da Cotriel está bem treinado e capacitado para prestar uma assistência técnica que possa ajudar os produtos a solucionar os problemas na lavouras. A nossa torcida é que a chuva continue ocorrendo nesta fase, uma vez que os meses de janeiro e fevereiro são cruciais para o desenvolvimento da soja.