CARAZINHO – Campanha de doação de sangue do HCC mobiliza comunidade

O Hospital de Caridade de Carazinho realizou, neste sábado (02), a quarta edição da Campanha de Doação de Sangue de 2017, em parceria com o Hemocentro Regional de Passo Fundo – Hemopasso.

De acordo com a enfermeira supervisora da Agência Transfusional do HCC, Mari Luciane Bernhard, durante todo o dia, 115 voluntários fizeram o cadastro e a triagem para doação. Desses, 104 tiveram seu sangue efetivamente coletado. “Ficamos felizes em ver que a comunidade novamente se sensibilizou e veio ao HCC participar da campanha. Com a chegada das festas de final de ano, cresce a nossa preocupação com os estoques de sangue, pois os riscos de acidentes aumentam e as doações no Hemocentro diminuem. Por isso essa participação expressiva é tão importante”, salienta.

Além da forte presença da população de Carazinho e da região, a ação contou com a participação dos integrantes do Grupo de Humanização do hospital, que, de forma descontraída, interagiram com os voluntários, reforçando a grandeza do gesto solidário. Em um determinado momento, junto a eles estava, também, o Papai Noel que distribuiu balas aos doadores e seus acompanhantes. 

A doadora Loreci Cristina Simon conta que reuniu um grupo de amigos, colegas e conhecidos para vir de Chapada a Carazinho participar da campanha, a fim de repor o sangue utilizado pelo pai, que necessita de transfusão com frequência. “Doar sangue é muito importante. Eu vejo como meu pai fica bem, como ele se renova, quando recebe sangue, por isso mobilizei 13 pessoas para doar nessa campanha. Fiquei muito feliz em trazer esse grupo e feliz por ter conseguido doar também. Ajudar as pessoas é sempre o melhor que podemos fazer”, ressalta.

Doador de sangue há mais de 20 anos, Alceu Leonhardt relata que começou a praticar o gesto solidário para ajudar um vizinho e que, depois, acabou desenvolvendo o hábito de realizar a doação pelo menos duas vezes ao ano meta que tornou-se ainda mais fácil com a vinda do ônibus do Hemocentro a Carazinho, segundo ele.

Como é a doação de sangue:

De acordo com a enfermeira Mari, antes da coleta do sangue, os voluntários realizam o cadastro do doador, passam por uma análise dos sinais vitais – batimentos cardíacos, pressão arterial, temperatura e peso -, realizam o teste de anemia e passam pela triagem clínica, que consiste em uma entrevista confidencial sobre as condições de saúde da pessoa, por isso existe diferença entre o número de pessoas cadastradas e o de doações efetivadas. “O doador precisa ser aprovado em todas essas etapas para realizar a coleta, que é de aproximadamente 450ml de sangue e dura, em média, sete minutos”, esclarece.

Além disso, depois da doação, todos os voluntários recebem um lanche e são orientados a ingerir bastante líquido, ter uma boa alimentação, a evitar o fumo, a bebida alcoólica, a exposição ao sol e a prática de exercícios físicos nas primeiras horas após a coleta. Além disso, recebem informações referentes aos cuidados com o curativo.

Gazeta AM

O Hospital de Caridade de Carazinho realizou, neste sábado (02), a quarta edição da Campanha de Doação de Sangue de 2017, em parceria com o Hemocentro Regional de Passo Fundo – Hemopasso.

 

De acordo com a enfermeira supervisora da Agência Transfusional do HCC, Mari Luciane Bernhard, durante todo o dia, 115 voluntários fizeram o cadastro e a triagem para doação. Desses, 104 tiveram seu sangue efetivamente coletado. “Ficamos felizes em ver que a comunidade novamente se sensibilizou e veio ao HCC participar da campanha. Com a chegada das festas de final de ano, cresce a nossa preocupação com os estoques de sangue, pois os riscos de acidentes aumentam e as doações no Hemocentro diminuem. Por isso essa participação expressiva é tão importante”, salienta.

 

Além da forte presença da população de Carazinho e da região, a ação contou com a participação dos integrantes do Grupo de Humanização do hospital, que, de forma descontraída, interagiram com os voluntários, reforçando a grandeza do gesto solidário. Em um determinado momento, junto a eles estava, também, o Papai Noel que distribuiu balas aos doadores e seus acompanhantes. 

 

A doadora Loreci Cristina Simon conta que reuniu um grupo de amigos, colegas e conhecidos para vir de Chapada a Carazinho participar da campanha, a fim de repor o sangue utilizado pelo pai, que necessita de transfusão com frequência. “Doar sangue é muito importante. Eu vejo como meu pai fica bem, como ele se renova, quando recebe sangue, por isso mobilizei 13 pessoas para doar nessa campanha. Fiquei muito feliz em trazer esse grupo e feliz por ter conseguido doar também. Ajudar as pessoas é sempre o melhor que podemos fazer”, ressalta.

 

Doador de sangue há mais de 20 anos, Alceu Leonhardt relata que começou a praticar o gesto solidário para ajudar um vizinho e que, depois, acabou desenvolvendo o hábito de realizar a doação pelo menos duas vezes ao ano meta que tornou-se ainda mais fácil com a vinda do ônibus do Hemocentro a Carazinho, segundo ele.

 

Como é a doação de sangue:

De acordo com a enfermeira Mari, antes da coleta do sangue, os voluntários realizam o cadastro do doador, passam por uma análise dos sinais vitais – batimentos cardíacos, pressão arterial, temperatura e peso -, realizam o teste de anemia e passam pela triagem clínica, que consiste em uma entrevista confidencial sobre as condições de saúde da pessoa, por isso existe diferença entre o número de pessoas cadastradas e o de doações efetivadas. “O doador precisa ser aprovado em todas essas etapas para realizar a coleta, que é de aproximadamente 450ml de sangue e dura, em média, sete minutos”, esclarece.

 

Além disso, depois da doação, todos os voluntários recebem um lanche e são orientados a ingerir bastante líquido, ter uma boa alimentação, a evitar o fumo, a bebida alcoólica, a exposição ao sol e a prática de exercícios físicos nas primeiras horas após a coleta. Além disso, recebem informações referentes aos cuidados com o curativo.

 

Gazeta AM