Ano dos leigos e leigas

A Igreja tem o salutar costume de refletir e aprofundar temas, num ano especialmente a eles dedicado. Assim, tivemos recentemente, em 2016, o Jubileu da Misericórdia e, no Brasil, o Ano Mariano, concluído no último dia 11 de outubro. No período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, a 25 de novembro de 2018, a Igreja no Brasil irá celebrar o “Ano do Laicato”. O tema escolhido para animar este ano foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”(Mt 5,13-14). O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade” .Pretende ainda dinamizar o estudo e a prática do Documento: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp,n.497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

A partir do batismo, fonte de toda vida cristã, os leigos são convidados a aprofundarem sua identidade, sua espiritualidade própria e sua missão, como discípulos missionários de Jesus Cristo, na Igreja e na sociedade. Sua formação se dá numa comunidade, através do caminho de iniciação à vida cristã e da formação permanente. Aí, também, exercem sua missionariedade, nos diversos ministérios que o Espírito Santo suscita. O ponto de referência será sempre sua fé em Jesus Cristo, vivida como um caminho permanente de formação e seguimento, numa comunidade. Nesta recebem a fé, conhecem e rezam a Palavra, com os irmãos celebram os sacramentos, especialmente a Eucaristia, e vivem a caridade. É neste ambiente eclesial que formam convicções a cerca da pessoa humana, da família e da sociedade, a partir dos valores do evangelho.

Porém, diante dos grandes desafios que a sociedade brasileira vive neste momento histórico, precisamos mais do que nunca de cristãos leigos e leigas que, a partir de uma fé madura e convicta, de em testemunho cristão no mundo. Com isto, estamos dizendo que os leigos devem manifestar claramente sua fé e serem sal e luz. Iluminados pela Doutrina Social da Igreja, nossos políticos católicos saibam promover o bem comum a partir do evangelho. Que a partir da mensagem cristã se formem os educadores, intelectuais, médicos, advogados, empresários, comunicadores e artistas. Que o evangelho da alegria seja a base da vida familiar, sem ceder às pressões da ideologia do gênero. Que se construam relações sociais fraternas, onde ninguém fique sobrando, pois todos têm sua dignidade inalienável por serem imagem e semelhança do Criador.

A espiritualidade que move os cristãos leigos é a da Encarnação. Deus que “desce e entra em nosso mundo e em nossa história para assumir em tudo a nossa existência. Desta forma, também os cristãos, para seguir e servir a Deus, devem ‘descer’ e ‘entrar’ em tudo o que é humano, que constrói um mundo mais humano e que nos humaniza” (CNBB, Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade, Doc.105, n. 163).

Parabenizo todos os leigos e leigas, neste dia a vocês dedicado, e desejo que o Ano do Laicato auxilie para serem verdadeiros sujeitos eclesiais, a partir da vossa dignidade de batizados. Possam viver uma fé madura, amar a Igreja, servir os irmãos e irmãs e ter coragem, criatividade e ousadia para dar testemunho de Cristo.

Dom Adelar Baruffi – Bispo de Cruz Alta