CARAZINHO – Processo de cassação deve ir à votação em uma semana

No decorrer desta semana muitas pessoas contataram as redações da Rádio e Jornal Diário da Manhã perguntando se a votação do processo de cassação, ou não, do vereador Clayton Pereira (SDD) seria levado para apreciação em plenário na próxima segunda-feira (13). Porém, a temática não está incluída na pauta com oito proposições indicadas para análise nesta sessão ordinária. A princípio o assunto deve ser tratado como pauta única, em sessão em que não podem ser discutidos outros projetos ou indicações. A data provável para o debate será o dia 20 de novembro, caso a comissão decida pela cassação. Se os membros optarem pelo arquivamento, o assunto estará encerrado.

Segundo o apurado pela redação, ainda cabe ao vereador Clayton Pereira, um prazo que se expira no início da próxima semana para que apresente suas considerações e recursos. Em seguida (ainda na próxima semana), a Comissão de Ética deve se reunir para analisar as colocações que vierem a ser feitas pelo vereador. A partir de então se marca a data para votação da questão, o dia, no entanto ainda não tem confirmação.

Conselho de Ética vota pelo arquivamento de denúncia contra Weber
O conselho de ética da Câmara de Vereadores votou nesta semana o parecer referente a uma denúncia sobre possível irregularidade cometida pelo vereador Daniel Weber (PP) ao dar carona a um particular, quando em viagem a Porto Alegre, com combustível pago pelo Poder Legislativo.

De acordo com a  denúncia, o fato ocorreu na data de 11 de janeiro de 2017, ocasião em que, segundo o denunciante, o parlamentar conduziu na forma de carona em seu veículo próprio, pessoa alheia ao quadro da Casa Legislativa, sendo que estava recebendo do erário público, ressarcimento por quilometro rodado.

Na análise dos fatos, o vereador Tenente Costa (PP), relator do processo, cita o caso anterior instaurado na Casa, onde figurava como acusado o vereador Clayton Pereira. Tal assunto foi objeto de análise pela Comissão de Ética, ocasião em que a maioria dos vereadores integrantes da Comissão foram unânimes no entendimento que não havia nenhuma ilegalidade por parte de Weber em conduzir em seu veículo particular, pessoa alheia ao quadro de funcionários da Câmara de Vereadores de Carazinho, embora recebendo o ressarcimento por quilometro rodado.

Diante disso, o relator julgou não haver irregularidade durante viagem realizada a serviço da Câmara de Vereadores de Carazinho a cidade de Porto alegre, no dia 11 de janeiro de 2017, tendo em vista não ter contrariado nenhuma norma prevista na legislação da Casa Legislativa, razão pela qual votou pelo arquivamento do processo.

A decisão foi seguida por quatro votos a um, tendo o voto contrário do vereador João Pedro Albuquerque de Azevedo.

Diário da Manhã