Maria, modelo de vida cristã

As referências bíblicas à Virgem Maria são poucas e profundas. A menção que São Lucas faz de Maria, junto com os apóstolos, após a morte e ressurreição de Jesus Cristo, em Jerusalém, é modesta: “E entre eles estava Maria” (At 1,14). Presente na origem da Igreja, junto com os apóstolos, Maria tem lugar único na nossa fé. Ela é modelo de vida cristã. Como discípula de seu próprio Filho, ela é para nós um exemplo simples para seguir. Ao mesmo tempo em que, como Mãe de Deus tem um lugar único na obra redentora e está junto do seu Filho na glória, ela vive conosco, caminha conosco. Ela acompanha o caminhar dos seus filhos na história e continua sempre a nos indicar o seguimento do seu Filho, dizendo-nos: “Fazei tudo o que ele vos disser” (Jo 2,5).

Por isso, a 66º Romaria ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, do dia 08 de outubro, em Cruz Alta, preparada em todas as nossas comunidades e grupos de reflexão, neste Ano Nacional Mariano, celebra o centenário das aparições da Virgem Maria às três crianças, Francisco, Jacinta e Lúcia, em 1917, em Fátima, Portugal. Há cem anos apareceu e consolouseus filhos em Fátima e não cessade guardar a todos nós sob seu manto maternal.Não apenas recordamos Maria pela sua missão no passado, mas como uma companhiano presente. O povo fiel a sente como viva e dirige-se a ela como mãe. Por isso, sua aparição em Fátima se prolonga no tempo pelo seu significado: Maria olha por nós, pela humanidade com seus sofrimentos, como o fez há cem anos. Afinal, uma mãe não pode esquecer-se de seus filhos (cf. Is 49,15). Ela pertence ao povo e nós a acolhemos como mãe e irmã.

Mas, o mais encantador em Maria, que a faz ser um modelo a ser seguido, é o fato que “ela viveu completamente toda a peregrinação da fé como mãe de Cristo e depois dos discípulos, sem estar livre da incompreensão e da busca constante do projeto do Pai” (DAp, n.266). Ela é “a discípula mais perfeita do Senhor” (LG, n.53), “a máxima realização da existência cristã” (DAp,n.266). Então, podemos aprender dela a docilidade ao Espírito Santo, para que em nós seja feita a vontade de Deus. Como ela, queremos crescer e amadurecer na fé, para sermos, como o Filho pediu: sal da terra e luz do mundo. Como ela, queremos viver a misericórdia, o serviço e anunciar a Palavra com alegria. Dela aprendemos a cantar as maravilhas que Deus realiza no seu povo, sobretudo nos mais humildes. “Permaneçamos na escola de Maria” (Bento XVI), pois é a primeira discípula de Jesus, e testemunho vivo do ouvinte da Palavra.

Nossa Romaria diocesana quer recordar os pontos centrais da mensagem de Fátima: a conversão, o pedido de perdão pelos pecados, a oração do terço e a construção da paz. São, ainda hoje, mesmo tendo passado um século, importantes para a vida cristã. O contexto atual é novo, mas igualmente precisamos de conversão e paz, frutos da oração simples e cotidiana.

Sejam todos bem-vindos! Na casa da Mãe todos os filhos se sentem bem, são acolhidos com alegria. Nossa gratidão a todos que se dedicaram e prepararamesta grande Romaria, especialmente nossos festeiros. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Dom Adelar Baruffi – Bispo de Cruz Alta