Diálogo Espírita – TEMPO ÚTIL

Claire foi uma senhora que viveu no século XIX na Europa.

Após sua passagem para a Dimensão Espiritual, a equipe mediúnica de Kardec recebeu um comunicado desta dama, que assim se expressou:

Ó miséria! Malditas sejam as horas do egoísmo e inércia, nas quais, esquecida de toda a caridade, de todo o afeto, eu só pensava no meu bem-estar!

Malditos interesses humanos, preocupações materiais que me cegaram e me perderam!

Agora o remorso do tempo perdido. Eu urro de dor, errante, sem repouso, rumando sem esperança, sentindo o aguilhão do eterno castigo a enterrar-se na minha alma revoltada.

Perguntar-se-á talvez o que fez essa mulher para ser assim tão miserável? Ela cometeu algum crime horrível? Roubou? Assassinou?

Não; ela não fez nada que afrontasse a justiça dos homens.

Ao contrário, divertia-se com o que chamais felicidade terrena; beleza, gozos, adulações, tudo lhe sorria, nada lhe faltava, a ponto de dizerem os que a viam: – Que mulher feliz!

Entretanto, foi egoísta possuía tudo, exceto um bom coração. Não violou as leis dos homens, mas a de Deus, visto como esqueceu a primeira das virtudes – a caridade. Não tendo amado senão a si mesma, agora não encontra ninguém que a ame e vê-se abandonada.

Empregou seu tempo somente para satisfazer seu egoísmo e orgulho.

Cada um vai refletir como está empregando seu tempo para que seja útil de acordo com as leis de Deus.

Sociedade Espírita Raios de Luz de Tapera