Diálogo Espírita – A RAPOSA E AS UVAS

A raposa faminta deparou-se com uma parreira carregada de frutos maduros, porém fora de seu alcance.

Como julgou que não poderia usufruí-las declarou que estão verdes, azedas e duras.

A conhecida fábula da raposa e das uvas sintoniza com as dificuldades humanas.

É o que caracteriza esse gênero de histórias fictícias que, protagonizadas por animais, revelam verdades e tem um fundo moral e didático.

Na fábula a raposa desiste, critica a qualidade das frutas e com isto não pensa numa forma de chegar até elas.

Quantas vezes pessoas que almejam um cargo mais elevado, não conseguem e ficam criticando o referido cargo como insignificante, ao invés de procurar se capacitar mais com cursos e aprendizados.

No caso do indivíduo fumante, afirma que não vai adquirir câncer nos pulmões, entretanto, se deixa de fumar, vai dizendo para os fumantes que se não deixarem do vício, terão câncer nos pulmões.

Se é empregado diz que não quer ter o negócio próprio porque gera muita responsabilidade, mas, se tem um negócio próprio diz que nunca vai ser empregado para não trabalhar para os outros.

No caso Espiritual, se odeia uma pessoa e o outro diz que Jesus recomendou o perdão, diz que isto é para os fracos.

Geralmente tudo o que não está ao nosso alcance, provoca nossa crítica.

Precisamos nos libertar desta contradição e abrir a mente para novas criatividades.

Sociedade Espírita Raios de Luz de Tapera