Economista pede cautela com nova regra para rotativo do cartão de crédito

A partir de 3 de abril, as instituições financeiras poderão oferecer um prazo máximo de 30 dias no pagamento rotativo do cartão de crédito. A decisão foi publicada no Diário Oficial de ontem, segunda-feira (30).

Na prática, quando o cliente não puder pagar toda a fatura, o Banco vai oferecer um empréstimo para quitar esta dívida, com juro menor do que o cartão. O cliente poderá também parcelar esta fatura em até 24 vezes, direto com o Banco.

A economista Cleide Moretto explica que essa é uma maneira de diminuir a incidência elevada de endividamentos. Com isso, o governo federal buscar também reduzir os juros praticados pelos bancos. O Brasil tem as maiores taxas de juros do mundo, que no ano chegam a superar 400%. A expectativa é de que os juros caiam pela metade.

Cleide contou que uma grande parcela das pessoas que utilizam cartão de crédito não tem condições de pagar a fatura total na data do vencimento. Com a nova regra, elas vão ter mais tempo para quitar todo o valor da fatura ou pagar menos juros antes dela vencer. Cleide destaca que o consumidor tem que entender que, por mais que a medida seja benéfica, deve-se sempre gastar com base na sua renda salarial.

A economista ressalta que vivemos em uma sociedade na qual a maior parte dos seus gastos não cabe na sua renda, no qual os custos são altos e os rendimentos são baixos, por isso é preciso cuidado, pois a dívida do cartão, ainda que financiada com juros menores, estará lá por vários meses e, somando-se a outras, pode ser um problema se não tiver controle.

(Via Rádio Planalto)